29 de jul de 2013

Venha conhecer nossas instalações! Agende uma aula experimental!

Tuneclass  é um instituto de música especializado em guitarra, violão, contrabaixo, teclado e canto que promove o desenvolvimento prático e teórico do aluno através de aulas abrangentes e completas. 
Um sistema de ensino eficiente e direcionado, para o desenvolvimento pleno do aluno através de aulas intensivas.

Está localizado no centro da Cidade de Uberlândia, em um imóvel novo, próximo a Center Shopping e a Universidade Federal de Uberlândia. Possui salas arejadas e completas, equipadas com instrumentos, amplificadores, aparelhos de som, internet WIFI e muita música. 


8 de jul de 2013

Maioria das músicas usa a mesma sequência de acordes, estudo comprova

Entusiasta analisou mais de 1,3 mil músicas populares a procura de padrões, como notas e acordes mais comuns nas canções.

26% das canções populares são escritas em dó/lá menor (C/am) (Fonte da imagem: Hooktheory)
Para a maior parte das pessoas pode parecer estranho coletar dados estatísticos a respeitos das músicas que costumam tocar nas rádios. Porém, para alguns, essa pode ser uma boa forma de estudar e entender como a música funciona e, principalmente, como elas podem ser produzidas.
Pensando nisso, o músico David Carlton, do site Hooktheory, analisou mais de 1,3 mil músicas populares em busca de padrões, ou seja, detalhes que fossem comuns à maior parte delas. A primeira parte do artigo sobre as estatísticas coletadas foi publicada no último dia 6 e explica, entre outros assuntos, que a base de dados analisada foi construída em cima do Top 100 da revista Billboard. No total, foram dois anos de pesquisas.

Alguns acordes são mais usados do que outros?

De acordo com o autor, essa pergunta não faz muito sentido, já que as músicas são escritas em tons diferentes. Uma composição em C# (dó sustenido), por exemplo, terá muitos C#, enquanto uma canção em G (sol) terá muitos acordes G.
Sendo assim, a melhor pergunta a se fazer seria “qual é o tom mais comum entre as canções populares”? A resposta já era a esperada: a maior parte dessas músicas foi composta em C (dó) e am (lá menor).
Sol e fá disputam os primeiros lugares dos acordes mais usados (Fonte da imagem: Hooktheory)
Porém, isso não foi o bastante para Carlton. Não satisfeito, ele transpôs todas as músicas da base de dados para dó, tornando-as mais comparáveis. Assim, como também era esperado, o acorde C (dó) foi um dos mais utilizados nas composições, porém, os primeiros lugares ficaram com G (sol) e F (fá).

O que vem depois do mi menor?

Depois do mi menor, vem o fá e o lá menor, na maior parte dos casos (Fonte da imagem:Hooktheory)
Outra curiosidade levantada por David diz respeito à relação entre os acordes. Em músicas feitas em C, qual seria o acorde que costuma acompanhar o mi menor (em)? Pois bem, em 93% dos casos, os mais usados são fá (F) e lá menor (am), sendo que o F é responsável por 59% das execuções.
Isso significa que, se você compuser uma música em dó e incluir um mi menor nela, é melhor pensar bem antes de tocar, logo a seguir, um acorde que não seja o fá ou o lá menor. Afinal, pode ser que o público não receba tão bem a sua criação.
E se você ainda não está convencido, assista ao vídeo abaixo para ver quantas músicas foram feitas usando os mesmos quatro acorde. Mas cuidado: isso pode acabar com o apreço que você tem por estes artistas. Fonte: Hooktheory
Por Felipe Arruda em 14/06/2012

2 de jul de 2013

Um cientista transformou os dados descobertos recentemente em uma partitura musical singularmente interessante.

(Fonte da imagem: Repodução/TheAtlantic)
A descoberta do Bóson de Higgs foi um acontecimento singular dentro da história da ciência. Lógico que o feito foi produto de muito (mas muito) esforço no chamado projeto Atlas, que utilizou o acelerador de partículas do CERN — uma das obras científicas mais caras já construídas até hoje.
A existência da partícula — que é o que confere massa às coisas — mal foi confirmada, mas um cientista chamado Domenico Vicinanza já transformou os dados da descoberta em uma partitura musical. A canção resultante apresenta uma espécie de rítmica que remete mais ou menos ao clássico ritmo cubano “habanera”.
Vicinanza liderou o projeto de musicalização do Bóson de Higgs, que contou com a colaboração de Mariapaola Sorrentino (da ASTRA Project) e de Giuseppe La Rocca (do INFN). Para chegar a uma canção, o grupo atribuiu uma nota musical para cada um dos dados obtidos na pesquisa do projeto Atlas e monitorou os intervalos entre notas, até conseguir produzir a graciosa melodia.
Fonte: The Atlantic
Por Maurício M. Tadra em 11/07/2012